“Em defesa da ciência”: nota pública de apoio às (aos) pesquisadoras (es) do estudo “The rotten apples of Brazil’s agribusiness”

 

 

 

 

A Associação Brasileira de Estudos Sociais das Ciências e das Tecnologias – ESOCITE.BR torna público o apoio aos pesquisadores e pesquisadoras que elaboraram o artigo The rotten apples of Brazil’s agribusiness, publicado na Revista Science (https://science.sciencemag.org/content/369/6501/246), e coordenado pelo professor Raoni Rajão, da Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG. O artigo aborda, depois de anos de pesquisa e com refinados métodos de coleta e análise de dados, a forma como a produção e exportação de soja e carne bovina no Brasil – Bioma Amazônia e Cerrado – se relacionam ao desmatamento ilegal de uma pequena parcela de imóveis rurais (2%), mas que representam 62% de todo o desmatamento nesses biomas. Por vários mecanismos de interconexão, esta minoria de propriedades rurais acaba contaminando exportações brasileiras regulares para a União Europeia, por exemplo. O artigo é muito claro sobre este reduzido número de imóveis rurais ligados a um potencial de desmatamento ilegal para a produção agropecuária e fornece ferramentas para estratégias de controle por partes de órgãos de fiscalização governamentais.

Na esteira do que já vem acontecendo com outros (as) pesquisadores (as) e órgãos como o INPE, diversos ataques e ameaças aos autores e suas respectivas instituições de filiação estão sendo realizados. Estas manifestações são desprovidas de argumentação científica ou de qualquer discussão focada no esforço analítico, metodológico e nas possibilidades de frentes de investigação dos resultados do artigo. Além disso, o artigo aponta possibilidades de elaboração de políticas públicas baseadas em evidências científicas na convergência de questões como ambiente, mudanças climáticas, agronegócio e acordos comerciais entre blocos de países.

Os resultados do artigo apontam, entre outras questões, e ao contrário do que sugere a maioria das ameaças dirigidas às autoras e autores, importantes dados que ajudam a separar o agronegócio profissional e efetivamente legal de uma minoria que não poderia ser representada como ativo relevante nos setores da produção de soja e carne bovina. As críticas são sempre bem-vindas na atividade científica, desde que embasadas em pesquisa sistemática e em dados refinados por métodos referendados pelos pares, devendo ser efetuadas nos veículos adequados.

A ESOCITE.BR reitera seu comprometimento com a produção e divulgação científicas e tecnológicas, em um ambiente de discussão aberto e democrático, com respeito ao debate de pontos de vistas diversos, mas dentro das regras de equilíbrio e bom senso, baseadas no conteúdo de conhecimentos imprescindíveis para tomada de decisões responsáveis e necessárias às questões prementes examinadas no artigo e de suma importância à população brasileira.

 

Diretoria da ESOCITE.BR

Associação Brasileira de Estudos Sociais das Ciências e das Tecnologias

 

Este post foi publicado em Notícias.